A Co-Presença

external image conversation_small.jpg
Aparentemente tudo conspira contra a comunicação a distância. O ser humano está preparado para relações interpessoais intensas e próximas para que contribuem, massivamente, o rosto e as expressões faciais, o olhar, o sorriso, a postura do corpo, a posição no espaço, os gestos ou a voz e a entoação.
A importância do olhar e da fixação do olhar é sobejamente conhecida; o contacto ocular permite o estabelecimento de proximidade, intimidade e confiança mas também pode ser utilizado em situações de insinceridade, medo, poder e controle.

O sociólogo G. Simmel (1950) considerava o olhar, o olhar mútuo, um acontecimento social único através do qual se estabeleceria a ligação e a conexão entre os indivíduos. Simmel considerava que esta era, talvez ainda mais do que a conversação falada, a interacção mais pura e directa que poderia haver. É o olhar entre as pessoas que produz momentos de intimidade dado que não se pode olhar sem ao mesmo tempo estar “a dar”; isto produz a mais completa reciprocidade de pessoa para pessoa: o olhar é retribuído e a confiança pode ser estabelecida e reproduzida tal como, aliás, a insinceridade ou a desconfiança, a agressividade ou o ódio.

Para Boden e Molotch (1994) os corpos co-presentes estão activamente envolvidos na tomada de turno nas conversações: Os gestos e o olhar permitem a conversação ao assinalarem a “troca de turno” dando-nos pistas e funcionando como sinais de que o falante está pronto para deixar o seu turno e dar a palavra ao outro; inclinar a cabeça pode significar o desejo de “receber um enunciado”; do mesmo modo as pessoas em presença podem tocar-se uma à outra e estabelecerem um rico, complexo e culturalmente variável vocabulário do tocar. Muitos autores sublinham este carácter corpóreo da conversação, um misto coordenado de acções físicas e de trabalho mental. Além do que é dito, a voz do falante fornece múltiplas pistas que o ouvinte utiliza em atribuições, avaliações e formação de impressões. Krauss e Morsella (2002) mostraram que os ouvintes podem fazer estimativas adequadas de idade, altura e peso quase tão boas como as que fazem a partir de fotografias. E sabe-se também que uma grande paleta de ressonâncias emocionais são transmitidas através da voz (estados de tristeza ou depressão são revelados através de frequências mais baixas) o que faz com que alguns tenham falado a este propósito em “gestos vocais” (Locke, 1998; Krauss et al. 2002).